Os falsos pecados da carne - por Marcos Jank

“Segunda sem carne” e proibição da exportação de gado em pé são arbitrariedades inaceitáveis

A aprovação em dezembro de um projeto de lei que proíbe o consumo de carnes às segundas-feiras nas escolas e órgãos públicos do Estado de São Paulo é mais uma infame agressão contra a pecuária e as carnes.

Nada temos contra pessoas que optam por não consumir carne, glúten, açúcar ou qualquer outro alimento. Ainda bem que a livre escolha prevalece no mundo moderno. Agora o Estado querer ditar hábitos de consumo, definindo o que pode ou não ser consumido a cada dia da semana, é uma arbitrariedade absurda e intolerável.

Na esteira dessa excrescência autoritária da Assembleia Legislativa de São Paulo, no último dia 11, a administração do porto de Santos proibiu os embarques de animais em pé para a exportação, rubrica que trouxe US$ 280 milhões em divisas para o país em 2017.

O comércio de animais vivos vem crescendo 5% ao ano no mundo. Países importantes como Indonésia, Turquia, Vietnã e o Oriente Médio optam por importar animais para engorda e abate, pois isso gera renda para os seus pecuaristas e a indústria doméstica. O Brasil, detentor do maior rebanho bovino comercial do mundo, é o pais com maior potencial de crescimento na exportação de animais vivos. Nossos concorrentes são Austrália, Canadá e México. Não há razão plausível para essa proibição.

É fundamental olhar em maior perspectiva o impacto da "segunda sem carne" e da proibição da exportação de gado em pé. O Brasil é líder e referência global na produção de carnes, posicionando-se entre os primeiros exportadores de carne de aves (1º lugar), bovina (2º) e suína (4º), além dos couros, genética e animais vivos. O setor como um todo exportou mais de US$ 18 bilhões em 2017.

É fato que o consumo per capita de carnes encontra-se estagnado nos países desenvolvidos. Os 40 países mais ricos do mundo abrigam um bilhão de pessoas que consomem cerca de 100 kg/habitante/ano, somando as três proteínas. Vem desses países a maior parte das campanhas pela diminuição do consumo de carnes e a favor do vegetarianismo em todas as suas formas.

Contudo, precisamos lembrar que cinco bilhões de pessoas vivem em países em desenvolvimento consumindo em média 30 kg/hab/ano. E um bilhão de pessoas vivem em países muito pobres, onde o consumo médio não chega a 10 kg/hab/ano. A conta é simples: a maioria da população mundial quer e precisa comer mais proteína animal, incluindo os pescados, e não cabe aos 20% mais ricos, que já ultrapassaram de longe as suas necessidades alimentares básicas, arbitrar sobre o que os demais vão colocar no seu prato todos os dias.

No agro brasileiro não há setor que sofra maior preconceito e desinformação do que a carne bovina. Os ataques deste último mês não são isolados. O repertório de mitos e inverdades é longo: danos à saúde, aquecimento global, desmatamento, consumo excessivo de água etc. Formadores de opinião acabam se deixando levar por informações levianas, facilmente refutáveis se acessarem sites especializados e a literatura científica. Voltaremos aos demais "pecados" em um próximo artigo.

Na conclusão desta coluna, soubemos que Geraldo Alckmin vetou a "segunda sem carne". O governador está absolutamente correto.

Um dos nossos principais cartões de visita são os churrascos, adorados pela maioria dos brasileiros pela variedade, abundância e modo de preparo da carne. Não podemos deixar que irresponsáveis legislem contra o interesse da maioria, usando falsos argumentos que prejudicam a posição e a imagem que conquistamos no Brasil e no mundo.

Com a colaboração de: Mauricio Palma Nogueira, sócio e diretor de pecuária na Agroconsult

Fonte: Folha de S. Paulo
Publicado em: 23/01/2018.



 

Últimas Notícias

Com negociações baixas, preços do suíno se mantêm estáveis

Os preços do suíno vivo se mantiveram estáveis nesta semana. Segundo dados do Cepea, os negócios estiveram abaixo do esperado para o período, o que elevou a disponibilidade da carne no início de 2018. A liquidez permanece baixa, devido ao menor poder de compra de consumidores, informaram os pesquisadores.

A bolsa de suínos paulista definiu referência de R$ 67,00 a R$ 69,00/@ condições bolsa, registrando manutenção dos preços comparados aos da semana passada. Segundo a Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), os preços para o animal vivo fecharam entre R$ 3,57/kg a R$ 3,68/kg vivo. Em nota, a APCS informou que os produtores estão preocupados com o desempenho dos preços do suíno vivo. “Com as atuais cotações, o prejuízo já atinge 12% de perda ao criador por animal vendido, considerando um peso médio de 100 quilos. Abaixo desse peso o prejuízo é ainda maior”, ressaltou o presidente da associação Valdomiro Ferreira.

Leia mais...

Estado Kg/vivo
DF R$ 3,60+ 0,01


Fonte: CEPEA/ ESALQ
Válido de 17 a 23/02/2018

Valor acordado na bolsa de suínos realizada no dia 16/02/2018, às 14h, na DFSUIN

 

 

Panorama Semanal do Mercado Suíno

Veja Aqui

Informativo

8° FESTIVAL SABOR SUÍNO

Design: Conectando Pessoas - Criação de Sites e Marketing Digital