Os falsos pecados da carne - por Marcos Jank

“Segunda sem carne” e proibição da exportação de gado em pé são arbitrariedades inaceitáveis

A aprovação em dezembro de um projeto de lei que proíbe o consumo de carnes às segundas-feiras nas escolas e órgãos públicos do Estado de São Paulo é mais uma infame agressão contra a pecuária e as carnes.

Nada temos contra pessoas que optam por não consumir carne, glúten, açúcar ou qualquer outro alimento. Ainda bem que a livre escolha prevalece no mundo moderno. Agora o Estado querer ditar hábitos de consumo, definindo o que pode ou não ser consumido a cada dia da semana, é uma arbitrariedade absurda e intolerável.

Na esteira dessa excrescência autoritária da Assembleia Legislativa de São Paulo, no último dia 11, a administração do porto de Santos proibiu os embarques de animais em pé para a exportação, rubrica que trouxe US$ 280 milhões em divisas para o país em 2017.

O comércio de animais vivos vem crescendo 5% ao ano no mundo. Países importantes como Indonésia, Turquia, Vietnã e o Oriente Médio optam por importar animais para engorda e abate, pois isso gera renda para os seus pecuaristas e a indústria doméstica. O Brasil, detentor do maior rebanho bovino comercial do mundo, é o pais com maior potencial de crescimento na exportação de animais vivos. Nossos concorrentes são Austrália, Canadá e México. Não há razão plausível para essa proibição.

É fundamental olhar em maior perspectiva o impacto da "segunda sem carne" e da proibição da exportação de gado em pé. O Brasil é líder e referência global na produção de carnes, posicionando-se entre os primeiros exportadores de carne de aves (1º lugar), bovina (2º) e suína (4º), além dos couros, genética e animais vivos. O setor como um todo exportou mais de US$ 18 bilhões em 2017.

É fato que o consumo per capita de carnes encontra-se estagnado nos países desenvolvidos. Os 40 países mais ricos do mundo abrigam um bilhão de pessoas que consomem cerca de 100 kg/habitante/ano, somando as três proteínas. Vem desses países a maior parte das campanhas pela diminuição do consumo de carnes e a favor do vegetarianismo em todas as suas formas.

Contudo, precisamos lembrar que cinco bilhões de pessoas vivem em países em desenvolvimento consumindo em média 30 kg/hab/ano. E um bilhão de pessoas vivem em países muito pobres, onde o consumo médio não chega a 10 kg/hab/ano. A conta é simples: a maioria da população mundial quer e precisa comer mais proteína animal, incluindo os pescados, e não cabe aos 20% mais ricos, que já ultrapassaram de longe as suas necessidades alimentares básicas, arbitrar sobre o que os demais vão colocar no seu prato todos os dias.

No agro brasileiro não há setor que sofra maior preconceito e desinformação do que a carne bovina. Os ataques deste último mês não são isolados. O repertório de mitos e inverdades é longo: danos à saúde, aquecimento global, desmatamento, consumo excessivo de água etc. Formadores de opinião acabam se deixando levar por informações levianas, facilmente refutáveis se acessarem sites especializados e a literatura científica. Voltaremos aos demais "pecados" em um próximo artigo.

Na conclusão desta coluna, soubemos que Geraldo Alckmin vetou a "segunda sem carne". O governador está absolutamente correto.

Um dos nossos principais cartões de visita são os churrascos, adorados pela maioria dos brasileiros pela variedade, abundância e modo de preparo da carne. Não podemos deixar que irresponsáveis legislem contra o interesse da maioria, usando falsos argumentos que prejudicam a posição e a imagem que conquistamos no Brasil e no mundo.

Com a colaboração de: Mauricio Palma Nogueira, sócio e diretor de pecuária na Agroconsult

Fonte: Folha de S. Paulo
Publicado em: 23/01/2018.



 

Últimas Notícias

Campanha de vacinação contra febre aftosa tem início em maio

Rebanhos serão fiscalizados para confirmar que a vacina foi aplicada, havendo checagem documental e coleta de sangue

A partir de 1º de maio os produtores da maior parte dos estados devem vacinar seus rebanhos contra aftosa. O diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Guilherme Marques, alertou que o calendário de vacinação tem que ser seguido à risca. “O fazendeiro que não cumprir com sua obrigação será autuado e multado (a multa depende de cada estado) e a vacinação será aplicada mesmo que seja necessária a utilização de força policial”, afirmou. Santa Catarina é o único estado sem essa obrigação, por já ser livre de febre aftosa sem vacinação. Em março e abril, teve início à vacinação em parte dos estados de Roraima, Rondônia, Pará e Amazonas.

O diretor explica que o ministério avalia a imunidade para saber se os animais foram realmente vacinados. Isso é possível com a coleta de material (sangue), em várias propriedades, de diversos estados. Essa checagem complementa a declaração de vacinação e a nota fiscal de compra apresentada pelos criadores. Se os auditores fiscais constatarem que o rebanho não foi vacinado, o produtor responderá um processo. “Então é bom todos estarem conscientes do seu papel, fazer a vacinação corretamente, conservando a vacina na temperatura de 2 a 8 graus, aplicando, preferencialmente, debaixo do couro, na tábua do pescoço dos animais”, alerta o diretor.

Leia mais...

PARCEIRO DO MÊS

Estado Kg/vivo
DF R$ 3,14


Fonte: CEPEA/ ESALQ
Válido de 19/05 a 25/05/2018

Valor acordado na bolsa de suínos realizada no dia 18/05/2018, às 14h, na sede da DFSUIN

 

 

Panorama Semanal do Mercado Suíno

Veja Aqui

Informativo

8° FESTIVAL SABOR SUÍNO

Design: Conectando Pessoas - Criação de Sites e Marketing Digital