ATeG implementa melhorias na Suinocultura do DF

O programa está em primeira fase e atualmente beneficia 25 propriedades de suínos

Pensando em manter a sustentabilidade da cadeia produtiva de suínos do Distrito Federal e aprimorar a gestão empresarial do negócio, iniciou no ano passado o Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), promovido pelo SENAR-DF, em parceria com o Sindicato e Associação de Criadores de Suínos do DF (Sindisuínos e DFSuin) e o Sebrae-DF. Até o momento, 25 propriedades estão sendo atendidas, na região do DF e Entorno.

De acordo com o superintendente do SENAR-DF, Everaldo Lima, o objetivo da ATeG é capacitar o produtor para o empreendedorismo, de forma que ele possa gerenciar sua propriedade com sustentabilidade e lucratividade. “O Programa leva ao suinocultor, novas tecnologias e formas de manejo, ampliando seu conhecimento sobre toda a cadeia de produção e possibilitando cada vez mais o desenvolvimento da atividade”, ressalta.

O Programa está na fase do “Diagnóstico Produtivo Individualizado”, onde o técnico de campo analisa os dados coletados através de questionário, junto ao inventário de recursos e informações técnicas e econômicas, levantadas nas primeiras visitas às propriedades. O perfil do sistema de produção dos criatórios atendidos pelo SENAR são, 40% consideradas granjas tecnificadas e 60% são de suíno caipira. As maiores unidades produtivas vendem cerca de 800 cevados por mês e as menores oscilam entre 05 e 10 animais comercializados por mês.

Segundo a veterinária do SENAR, Rachel Leão, em três meses de trabalho as melhorias nos resultados zootécnicos e sanitários foram significativas: “Na área de saúde animal, por exemplo, implantamos programas sanitários que reduz a mortalidade de animais e melhora o desempenho dos rebanhos. Na parte nutricional, aperfeiçoamos os níveis nutricionais das rações, possibilitando maior ganho de peso dos animais. Já na área de bem-estar animal, melhoramos a ambiência de algumas instalações, resultando numa oferta maior e melhor de qualidade da água e alimentos para os animais. Sem dúvida, também tivemos grande evolução na área gerencial das propriedades atendidas, considerando que  boa parte desses produtores não tinham o hábito de anotações de custos, receitas, ou sequer, controles mínimos zootécnicos e gerenciais que compõem o negócio”, declara.

A técnica de campo destaca ainda, que o Programa é uma excelente ferramenta de gestão, uma vez que, se visualiza após o diagnóstico realizado, os pontos críticos de melhoria nas propriedades para a potencialização dos resultados financeiros. “Durante o diagnóstico, observou-se que os produtores de suíno caipira conseguem agregar mais valor ao preço de venda da carne, entretanto, em determinada época do ano, eles têm dificuldade em comercializar o produto devido à falta de demanda. Já os suinocultores tecnificados, efetuam suas vendas para frigoríficos regionais durante todo o ano, sem oscilar em termos de demanda”.

A falta de registro dos custos de produção e a inadequação ambiental das propriedades são os principais gargalos identificados na fase inicial do Projeto, principalmente para os criadores de menor escala, que não consideram a atividade como um negócio, mas sim, como um complemento na renda familiar. O foco é trabalhar essa mentalidade através de orientações repassadas aos produtores durante as visitas técnicas, para que possam evoluir gradativamente nos três pilares fundamentais para a suinocultura: ambiental, social e retorno financeiro.

Para o presidente da DFSuin, Ivo Jacó de Souza, fortalecer as parcerias com o SENAR e Sebrae é uma meta para que mais granjas sejam atendidas em 2018. “A ATeG é a sequência do trabalho realizado no Mapeamento da Suinocultura do DF, concluído em 2016, que culminou na identificação de mais de 600 pequenos produtores, carentes de orientação, treinamento e assistência técnica. Nossa expectativa é alcançar um sistema de produção mais padronizado dentro da região, com a prática de técnicas da suinocultura moderna de bem-estar animal, respeito ao meio ambiente e crescimento sustentável”, conclui.

Fonte: DFSuin com informações do SENAR-DF

Publicado em: 10/01/2018

 

Últimas Notícias

Com negociações baixas, preços do suíno se mantêm estáveis

Os preços do suíno vivo se mantiveram estáveis nesta semana. Segundo dados do Cepea, os negócios estiveram abaixo do esperado para o período, o que elevou a disponibilidade da carne no início de 2018. A liquidez permanece baixa, devido ao menor poder de compra de consumidores, informaram os pesquisadores.

A bolsa de suínos paulista definiu referência de R$ 67,00 a R$ 69,00/@ condições bolsa, registrando manutenção dos preços comparados aos da semana passada. Segundo a Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), os preços para o animal vivo fecharam entre R$ 3,57/kg a R$ 3,68/kg vivo. Em nota, a APCS informou que os produtores estão preocupados com o desempenho dos preços do suíno vivo. “Com as atuais cotações, o prejuízo já atinge 12% de perda ao criador por animal vendido, considerando um peso médio de 100 quilos. Abaixo desse peso o prejuízo é ainda maior”, ressaltou o presidente da associação Valdomiro Ferreira.

Leia mais...

Estado Kg/vivo
DF R$ 3,60+ 0,01


Fonte: CEPEA/ ESALQ
Válido de 17 a 23/02/2018

Valor acordado na bolsa de suínos realizada no dia 16/02/2018, às 14h, na DFSUIN

 

 

Panorama Semanal do Mercado Suíno

Veja Aqui

Informativo

8° FESTIVAL SABOR SUÍNO

Design: Conectando Pessoas - Criação de Sites e Marketing Digital